domingo, 8 de outubro de 2006

You - Evanescense


"The words have been drained from this pencil
Sweet words that I want to give you
And I can’t sleep, I need to tell you... goodnight"

Quando o sentimento nasce e teima em tomar forma dentro de nós, não vale a pena contrariar… Por que mesmo sem grandes cuidados, quando se enraíza verdadeiramente já nada o pode cortar e deitar ao fogo como se d um tronco se tratasse. È agora árvore e vida, que não parará de crescer s não no mais ínfimo do céu…
Lavoisier disse que “nada se ganha, nada se perde, mas tudo se transforma”. Nesta dinâmica de transformação é que acredito fielmente que tudo aquilo que não nasce programado, também não apresenta data de validade para o fim… E tem grandes hipóteses de ser eterno!


"You know I’d die just to hold you, stay with you
Somehow I'll show you that you are my night sky
I've always been right behind you
Now I’ll always be right beside you"

É no compasso dos dias, nas mudanças das marés, no girar da Lua e da Terra, que o mundo muda. Também o nosso mundo a cada passo muda de forma e as pessoas selam dentro de nós o valor dos sentimentos. Não deveríamos nunca desperdiçar essa pequena carícia que pode ser dada pelo mais inesperado dos seres, na mais inesperada das ocasiões.
Tal como a árvore o infinito é o lugar privilegiado para o amor. Sei que a palavras, para os que lhe dão o devido valor, pode ser demasiado assustadora…Mas percam os medos e vivam o infinito! E não são precisos grandes gestos físicos para o perceber. Muitas vezes reside na simplicidade e pequenez de um beijo a beleza do momento…


"I never thought I would say that
I never thought there'd be you"

Por isso, um conselho,
AMEM
"Evanescense - You"

2 comentários:

João Luís disse...

Não sei como começar... E isto de não me lembrar do começo parece-me familiar...
"uma asa voa a cada beijo teu" e por isso "esta noite sou(somos) dono(donos) do céu..."
Estou sem grande capacidade para exteriorizar o meu coração. Estás nele e por isso sinto-me preenchido.

Caminha a meu lado
Sobe ao paraíso
Sente o vento em nós
Olhando o mundo aos pés
Ao fundo o mar
Apetece-te voar?
Seremos as asas um do outro

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.